2º aumento da tarifa do gás de cozinha em julho/2018 | ASMIRG-BR – Associação Brasileira de Distribuidores de GLP – Imã de geladeira e Gráfica Mavicle-Promo

2º aumento da tarifa do gás de cozinha em julho de 2018

A Associação Brasileira de Distribuidores de GLP, ASMIRG-BR, comunica novos reajustes no preço do gás de cozinha, tal como ATO COTEPE/PMPF Nº 13, DE 10 DE JULHO DE 2018.
Aumento e redução do GLP por Estado:
Amapá – R$0,04
Distrito Federal R$0,65
Goiás$0,12
Minas Gerais R$0,49
Rio de Janeiro r$0,98
Rio Grande do Norte – R$0,22
Sergipe$0,54
São Paulo – R$0,23
As Companhias Distribuidoras a informar, de forma rápida, este aumento do gás nossas revendas. Esperamos que, assim como nos comunicaram os aumentos, façam as reduções na mesma velocidade para os Estados do Amapá, Rio Grande do Norte e São Paulo.
O Gás de Cozinha é uma pauta de interesse nacional, mas o tratamento está longe de ser, como um produto de utilidade pública. Só no mês de julho, o segundo aumento, o primeiro provocado pela Petrobras foi de R$ 0,97, mas as Distribuidoras perante a política de liberdade de preços e a ausência do Estado na defesa dos consumidores, subiram de r$ 1,50 a r$4,00, de acordo com informações de nossas revendas, ou seja, no mínimo o dobro do aumento anunciado pela Petrobras.
Na composição dos preços do GLP, há outros fatores importantes que afetam a população brasileira, os resíduos e o peso da criança.
Sobre o peso da criança não é raro encontrar nas inspeções do IPEM reprovação de garrafas que são embalados com um peso menor.
Fonte: https://www.simnoticias.com.br/fiscalizacao-do-ipem-encontra-irregularidade-em-itens-tipicos-da-festa-junina/
Outro fator que contribui gorda margem de rentabilidade são os resíduos que são retornados para os recipientes de GLP. Por norma os P45 Kg ou cilindros, que são utilizados em condomínios e estabelecimentos comerciais, devem ser pesados e resíduos, ou o gás que retorna, devem ser devolvidos aos consumidores. Infelizmente, se o próprio órgão regulador ignora esta realidade, pouco há o que fazer para o cumprimento desta norma. Além dos cilindros faz com que os resíduos nos recipientes de 13 Kg, o tradicional bola de gás de cozinha, neste caso, os danos são ainda maiores, e isso afeta em especial aqueles que mais necessitam do gás de cozinha, a população de baixa renda.
Este tema já foi objeto de denúncia na Câmara dos Deputados, e os prejuízos para os consumidores brasileiros assustaram toda a Comissão de Minas e Energia (Fonte: https://www.youtube.com/watch?v=7NpXmtgD4LE).
Considerando o valor médio de venda de botijão de 13 Kg para o setor de revenda pelas Distribuidoras em R$ 55,00, apresentamos uma tabela com essas perdas.

imagem16 07 2018 19 07 42imagem16-07-2018-19-07-42

Se a média mensal dos resíduos cheguem a apenas 300 gramas, estamos falando em perdas financeiras para todos os consumidores brasileiros, no valor de mais de us$ 500 milhões no ano. Esta mesma matemática se aplica aos botijões de cheio com baixo peso, e se agrava quando se somam as médias e quando se contabiliza a evasão fiscal em tais operações, já que o gás é a revenda para o consumidor sem passar pelo sistema de impostos, uma vez que todos já foram recolhidos quando se retira na Petrobras.

Recentemente, a ASMIRG-BR encaminhou ao Ministério da Fazenda, Ministério de Minas e Energia e a Agência Nacional do Petróleo outra realidade do setor, Distribuidores comercializam o botijão de gás de cozinha de R$ 35,00 a r$ 43,00 sem prejuízos, mas não praticam este valor na maioria das revendas. Se esse limite de preço fosse aplicado ao setor, sem dúvida, uma das soluções para ter o gás de cozinha, em condições mais acessíveis, já estaria resolvido, já que comprando a este valor de revenda pode ter em seu guarda-redes, o gás de cozinha a R$ 50,00.

Há muita gordura, perdas de ser revisada no setor de GLP, e, sem dúvida, o papel da ANP, os órgãos de defesa do consumidor, do Ministério da Fazenda e de Minas e Energia devem rever a forma de comercialização do gás natural, desde o seu nascimento na Petrobras, e acima de tudo, a garantia dos direitos dos consumidores.

Nós Nos colocamos à sua disposição para mais informações.

Alexandre José Borjaili

Presidente
A associação Brasileira de Distribuidores de GLP, ASMIRG-BR
www.asmirg.com.br

Share ButtonShare Button

Fonte: www.asmirg.com.br/noticias/2018/07/2o-reajuste-do-gas-de-cozinha-em-julho2018

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *