Testes de detecção do VIH nas farmácias tornam-se mais comuns – Guia da Farmácia – Imã de geladeira e Gráfica Mavicle-Promo

O Consumidor pode escolher por autoteste e ter a ajuda de um farmacêutico

Quem quer ter um resultado rápido e mais fácil para o HIV (vírus da imunodeficiência humana) conta com opções de farmácias e drogarias. Se antes era necessário fazer a prova em clínicas de diagnóstico, agora de testes rápidos ajudam os que querem privacidade, ou uma resposta mais ágil.

Um deles é o Action, o primeiro verificação automática de HIV no Brasil. Se diagnostica anticorpos contra o HIV e ½ por punção digital. Funciona com a coleta de gotas de sangue, similar aos testes existentes para a medição de glicose por diabéticos.

De acordo com uma pesquisa feita pela OrangeLife, empresa que lançou o produto, o perfil de consumo nas regiões Sul e Sudeste, demonstra que o público masculino na faixa de idade entre os 27 e 47 anos de idade representa 90% das vendas da prova. Para o CEO da empresa, Marco Collovate, além de que o sexo feminino fazer os exames de rotina nos laboratórios, as mulheres pensam que não contrairão a doença porque confiam em seus parceiros.

Outra opção é o Hilab, o dispositivo já está disponível nas farmácias de todo o País. Ele é o primeiro serviço de telemedicina, que realiza exames de laboratório, não só do HIV, mas de gravidez, perfil lipídico, vírus Zika, Chikunguya, dengue, hepatite, colesterol total, HDL, hemoglobina glicada, vitamina D, o nível de glicose no sangue, entre outros.

O sangue é coletado a ponta do dedo, fazendo com que o processo seja o menos invasivo. O resultado sai em aproximadamente dez minutos e traz os laudos com validações e reconhecimentos médicos que cumprem com os padrões de qualidade, confiabilidade e precisão equivalentes às metodologias já disponíveis nos laboratórios convencionais.

Fonte: assessoria de Imprensa da OrangeLife (Palavra!) e a Assessoria de Imprensa da Hilab (Approach)Foto: Shutterstock

Compartilhar:

Fonte: guiadafarmacia.com.br/testes-de-hiv-em-farmácias-tornam-se-mais-comuns

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *